Era uma vez, no reino dos sonhos de uma criança, um unicórnio malvado. Ele habitava as sombras de um castelo abandonado e raramente era visto pelos habitantes daquele mundo imaginário. Mesmo assim, a criança sempre soube da existência do unicórnio malvado e, embora tivesse medo dele, sentia uma curiosidade inexplicável.

Numa noite de tempestade, a criança acordou com um trovão muito forte que parecia sacudir sua cama. Quando olhou pela janela, viu que a luz do luar iluminava o castelo abandonado e, de repente, uma figura negra saltou das sombras e voou em sua direção. Era o unicórnio malvado, aterrissando em seu quarto.

A criança se encolheu na cama, esperando o pior. Mas o unicórnio malvado baixou a guarda e falou com ela em um tom conciliador.

- Eu sei que você tem medo de mim, mas eu preciso de ajuda. Algo terrível está acontecendo no mundo dos sonhos e eu não posso combater sozinho.

A criança ficou surpresa com a revelação e, embora ainda tivesse medo do unicórnio malvado, sentiu uma atração por essa amizade inesperada.

- O que devo fazer? - perguntou a criança.

- Precisamos encontrar o escudo mágico. Ele está escondido em um lugar perigoso e eu não posso ir lá sozinho. Você terá que me acompanhar.

A criança sabia que essa era uma escolha difícil, mas sua curiosidade e sua coragem falaram mais alto. Ela aceitou ir em busca do escudo mágico com o unicórnio malvado.

Assim, eles partiram em uma jornada perigosa pelo mundo dos sonhos. Enfrentaram criaturas assustadoras, passaram por lugares sombrios e sobreviveram a armadilhas mortais. Durante essa jornada, a criança aprendeu a conhecer melhor o unicórnio malvado, descobriu segredos de sua vida e percebeu que sua maldade era apenas uma proteção contra a solidão e o medo.

Finalmente, chegaram ao local onde o escudo mágico estava guardado. Mas havia um grande problema: o escudo estava protegido por um dragão feroz que não permitia a entrada de ninguém.

A criança pensou em desistir, mas o unicórnio malvado a incentivou a tomar uma atitude.

- Você é corajosa e inteligente. Vá até o dragão e tente negociar. Talvez ele aceite uma outra oferta.

A criança, com coração acelerado, foi até o dragão e falou com ele. O dragão pareceu ouvir com atenção e, depois de um momento de silêncio, respondeu:

- Eu não irei deixar você levar o escudo. Mas, em vez disso, vou te oferecer uma outra coisa. Vou te ensinar uma magia especial, que pode te salvar em momentos de perigo.

A criança aceitou a oferta e, quando voltou com a novidade para o unicórnio malvado, encontrou-o sorrindo.

- Você é incrível! - disse ele. - Salvou o mundo dos sonhos e ainda trouxe uma magia nova para o seu repertório.

A partir desse dia, a criança aprendeu que, às vezes, as escolhas mais difíceis são as mais surpreendentes e gratificantes. Além disso, descobriu que mesmo um unicórnio malvado pode ser um amigo leal e valioso.

Assim termina a história do unicórnio malvado favorito de uma criança como tantas outras, que descobriu que o imaginário infantil pode abrigar surpresas tão maravilhosas quanto sinistras.